DEDETIZADORA ESPECIALIZADA EM PRAGAS URBANAS

LIGUE JÁ: (41) 9968-6089

Dedetizadora 24 Horas faça o seu Orçamento AGORA !

Dedetizadora✔ Dedetização✔ Desratização✔ Desinsetização✔ Dedetizar✔ Controle de Pragas✔ Controle de Pombos✔ Insetos✔ Carrapato✔ de Formigas✔


Dedetizadora

A nossa dedetizadora é uma empresa de controle de pragas altamente especializada no combate de baratas, formigas, traças,aranhas, escorpiões, cupins, ratos, insetos em geral e desentupimentos de qualquer natureza.

Saiba mais
Dúvidas Saiba mais

O esclarecimento da diferença entre o controle integrado de pragas e a desinsetização se dá através da compreensão de cada um desses termos.

Desinsetização (Dedetização)

O nome dedetização tem origem no DDT (Dicloro – Difenil - Tricloroetano), um veneno amplamente utilizado a partir da Segunda Guerra Mundial, hoje é proibido devido ao seu alto grau de toxicidade e contaminação do ambiente, assim sendo, o nome dedetização não é mais implantado, sendo desinsetização ou desinfestação com inseticidas, um termo mais correto e atual. Assim, essa visa a acabar com uma infestação já instalada ao usar apenas pesticidas, iscas, armadilhas e venenos destinados para cada situação, sem analisar o porquê da infestação.

Os pombos, por serem animais sinantrópicos, podem transmitir algumas doenças e acarretar grandes desconfortos e transtornos ao homem.


Métodos de Controle

Os mecanismos de controle consistem em evitar alimentá-los; não deixar frestas entre telhas, pois os pombos podem entrar por estas frestas e construir suas ninhadas; restringir áreas onde os pombos pousam e espantar os animais existentes no local.

Alimentar os pombos, além de errado, serve como estímulo para que sua população cresça é um incentivo negativo à natureza do animal, pois isso o deixa desestimulado a procurar alimentos na natureza, como sementes e insetos; prejudicando no replantio de plantas e controle de insetos, além de diminuir o tempo de vida dessas aves.

Frestas, brechas e falhas em telhados, principalmente de lugares altos, são portas de entrada para pombos e outras aves que se adaptaram a viver em ambientes urbanos. Os pombos preferem lugares altos para poderem observar o ambiente em que vivem e para obtenção de comida. As colônias produzem uma quantidade muito grande de fezes, as quais servem como ótimos lugares para abrigar bactérias, fungos e alguns vírus, podendo transmitir várias doenças como, por exemplo: criptococose, histoplasmose, ornitose, salmonelose, toxoplasmose, encefalite, dermatites, alergias respiratórias, doença de Newcastle, aspergilose e tuberculose aviária.

Deve-se restringir os locais onde os pombos pousam, principalmente em lugares públicos, pois suas fezes transmitem as doenças citadas acima. Estratégias adotadas para evitar o pouso dessas aves são:

• Instalação de armações de hastes pontiagudas que cubram a maior parte de uma superfície plana, que poderia ser
   utilizada para o pouso;

• Mudança do ângulo de inclinação da superfície de pouso;

• Instalação de fios de nylon ou arame ao longo da superfície de pouso;

• Instalação de espiral ao longo da superfície de pouso;

• Instalação de dispositivos giratórios;

• Pendurar materiais brilhantes como CDs e fitas de saco plástico em possíveis locais a serem freqüentados pelos
  pombos;

• Aplicação de substâncias pegajosas (gel repelente) em camada fina para que o pombo evite o local.

Se já existem pombos no local, deve-se primeiro limpar o local, retirando toda a comida ou material orgânico existente para que os pombos sejam obrigados a procurar alimentos em outro lugar, preferencialmente na natureza; depois pode-se utilizar espantalhos ou manequins, objetos brilhantes e coloridos, objetos dotados de movimento como bandeirolas, móbiles de CDs, balões infláveis e fitas coloridas que assustam as aves e as afastam do local por algum tempo. Pode-se utilizar também repelentes químicos como géis na superfície onde pombos freqüentam, já que isso causa um desconforto nas aves. O uso de produtos com odores fortes como creolina, naftalina ou formalina também afastam as aves enquanto seu odor permanecer no local.

O termo dedetização foi atribuida da substância Dicloro-Difenil-Tricloroetano – DDT,  utilizada em grande escala na Segunda Guerra Mundial para proteger os soldados contra os insetos, porém foi banida pelos órgãos de saúde, devido ao elevado grau de toxidade e contaminação ambiental. Mesmo assim, o nome passou a representar toda e qualquer substância para o controle de pragas e é por isso que hoje, embora seja proibido o uso do DDT no país, o termo dedetização é adotado. Porém, normalmente são utilizados os termos desinsetização para o controle químico de insetos como barata, cupins e formiga ou desratização para o controle químico de ratos. Entende-se por praga, nome popular, os insetos, ácaros, ratos, pombos, entre outros animais sinantrópicos, que são aqueles que vivem próximas às habitações humanas, ou seja, que em determinado local ou momento podem causar algum dano direto ou indireto à saúde humana.

Devido aos problemas de saúde pública provenientes desses animais, o homem desenvolveu técnicas, como controle químico usando o inseticida organoclorado DDT, substância química pioneira, utilizada com a finalidade de reduzir as populações de insetos em ambiente urbano.

O controle das pragas urbanas realizado por empresas dedetizadoras tem como finalidade a proteção da saúde e do bem estar da população, impedindo a partilha dos alimentos, das habitações e dos locais de trabalho e lazer com os insetos, roedores e outras espécies de pragas. Esse controle é um sistema que inclui medidas preventivas e corretivas, de modo a que as espécies de pragas sejam mantidas em níveis que não conduzam à ocorrência de problemas significativos.

Atualmente as empresas de controle de pragas procuram por certificações de parâmetro internacional como o NBR ISSO 9000 e/ou filiação a associações internacionais. Nestas associações são realizadas conferências e congressos para debater as técnicas vigentes e novas e, desta maneira, manter sua qualidade. Assim ocorre uma unificação nas técnicas de controle das pragas no mundo.

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é o órgão responsável pela regulamentação da dedetização no Brasil através da RDC nº 52/2009, que visa garantir a qualidade e a segurança do serviço prestado e reduzir o impacto ao meio ambiente, à saúde do consumidor e do aplicador do produto tóxico. Para isso, a empresa especializada deve possuir um responsável técnico, devidamente registrado, que apresente comprovação oficial da competência para exercer funções relativas ao controle de pragas e vetores urbanos, emitida por seu respectivo conselho profissional.

A empresa responsável também deve apresentar instalações adequadas, que garantam a segurança das edificações adjacentes, e equipamentos de segurança para evitar possíveis intoxicações por parte dos funcionários. Em local público e visível, deve ser afixada a licença sanitária atestando a adequação da empresa.

Conjuntamente com as instalações, a RDC nº59 exige a descrição de todos os procedimentos técnicos adotados pela empresa, condições para o transporte dos produtos, normas de biossegurança e instruções em casos de intoxicação acidental em um documento denominado Procedimento Operacional Padrão (POP).

Quanto às embalagens dos produtos dedetizantes, estas devem estar devidamente rotuladas e entregues aos clientes juntamente com o comprovante de execução de serviço, que contém todas as informações referentes ao produto e ao serviço. Estas mesmas embalagens devem ser devolvidas à empresa após o uso e esta deve tomar as devidas providências a fim de que os resíduos tóxicos não contaminem o solo e os lençóis freáticos.

Assim, o descumprimento da RDC Nº59 não acarreta ao infrator somente o pagamento de uma multa por infração sanitária, mas também aumenta o risco de intoxicações acidentais por parte de seus funcionários e consumidores.

Existem muitas espécies de insetos que atacam a madeira(Cupins, traças, brocas, etc.) e estes são denominados de insetos xilófagos (xilo=madeira, fagos=alimento), mas nem todas estas espécies são cupins isto é da ordem Isóptera, mas é neste grupo que encontramos as espécies de insetos mais agressivas.
 
 
Para facilitar subdividiremos as inúmeras espécies insetos xilófagos presentes no meio urbano em três grupos;

CUPINS SUBTERRÂNEOS

No grupo dos cupins subterrâneos encontramos as espécies mais agressivas de insetos xilófagos que têm como característica principal uma sociedade extremamente organizada.

Os cupins subterrâneos são insetos sociais, assim como as formigas cortadeiras, têm seus ninhos localizados no solo, e por serem sensíveis à luz buscam seu alimento (celulose) através de túneis subterrâneos ou túneis externos, ou locais escuros e protegidos, tornando-se difícil perceber a sua presença.
 
Neste grupo encontramos uma espécie que é denominada de Cupins de Concreto, pois perfuram qualquer material, até mesmo o concreto de fundações, lajes, paredes, para buscarem seu alimento que é madeira (celulose).

Na natureza estes insetos atacam e se alimentam do cerne (miolo) das árvores, mas se adaptaram em buscar seu alimento (celulose) dentro de nossas casas, devorando além de madeiras, tecido, couro, papel, documentos, etc.

Na busca de alimento atacam e danificam, mantas de impermeabilização, cabos de redes elétricas, telefonia, etc. Estes insetos sempre atacam as escondidas e quando notamos os estragos são grandes, e as vezes irreversiveis.

A infestação destas pragas está generalizada em quase todo território brasileiro, e já detém o maior índice de ataque e o mais voraz, apesar desta espécie não ser nativa, isto é, migrou de outro continente (Asiático), está adaptada ao clima subtropical e tropical, e não possui inimigos naturais eficientes ao seu controle em nosso meio urbano, por isso sua infestação tende a aumentar e alastrar-se, perigosamente.

Adaptam-se com facilidade as estruturas das edificações, aninhando em lajes entulhadas, caixões perdidos, alvenarias, chafts, etc, e saem em busca de seu alimento (madeira) através de prumadas hidráulicas, elétricas, telefonia, etc.

A sociedade de um termiteiro (cupinzeiro) é composta por três castas de indivíduos (reprodutores, soldados, operários), que são especializados em suas funções.

Os reprodutores podem ser identificados na época das revoadas (conhecidos como siriris ou aleluias), que ocorrem geralmente na primavera ou início do verão, quando então confundidos e atraídos pela luz artificial, voam em torno delas.

Estes casais após as revoadas caem em jardins ou na terra e irão fundar novas colônias. Os que não voarem, ficarão no ninho ou subninhos e serão chamados de reprodutores de substituição, que caso necessário, ou divisão do cupinzeiro, ou necessidade de substituir os casais reais se tornarão reprodutores ativos, podendo, portanto uma colônia se subdividir e permanecer ativa por centenas de anos, crescendo e se multiplicando. Em fase desenvolvida, uma rainha ativa de algumas espécies, pode colocar 5.000 a 10.000 ovos por dia e vive em média de 8 a 20 anos.

A casta dos operários é responsável pela limpeza, construção e principalmente alimentação de toda a colônia. Possuem o hábito forrageiro, que é busca constante de novas fontes de alimento, e quando o descobrem, marcam as trilhas através de feromônios, dirigindo os outros indivíduos a buscarem o alimento nestes locais. Este território de ataque é explorado através uma rede de túneis subterrâneos que se estende em média por um raio de 100 a 200 metros do ninho, mas já foi constatado a 800 metros.

Os soldados são responsáveis pela defesa e guarda da colônia, demarcando e protegendo seu território contra outras colônias invasoras ou seus inimigos naturais. Assim como os operários possuem seus órgãos sexuais atrofiados, não se reproduzem.

Como podemos observar este é o exemplo de uma sociedade muito bem organizada, possuindo várias habilidades para a sobrevivência da colônia e espécie. Portanto para combatê-los é preciso técnica e experiência. Ações precipitadas além de aplicar recursos em soluções paliativas, causarão danos futuros maiores, disseminando a praga para outras áreas ou dependências, colocando a sua segurança e de seu patrimônio em risco.

CUPINS DE MADEIRA SECA

Os cupins de madeira seca também são insetos sociais e a diferença básica entre as espécies é que as de cupins subterrâneos nidificam no solo e as de cupins de madeira seca o ninho e toda a colônia se alojam na madeira.

O ataque desta praga é menos agressivo, pois estas colônias são bem menores e geralmente ficam restritas a algumas peças de madeira ou mobiliário. Quando o ataque já é avançado notamos aqueles minúsculos grãos amontoados que são as fezes dos insetos eliminadas do ninho por um orifício que geralmente é fechado em seguida.

A colônia também é formada por operários, soldados e reprodutores suas funções são semelhantes aos cupins subterrâneos.

COLEÓPTEROS (Brocas ou Carunchos)

Coleópteros pertencem à ordem dos insetos, com cerca de mais de 350.000 espécies descritas, o que corresponde a 40% da Classe Insecta (todos os insetos catalogados no mundo).

Variam de tamanho desde menos de 1 mm até 200 mm de comprimento e podem ser encontrados em todos os ambientes que outros insetos habitam. O mesmo pode ser dito em relação aos hábitos alimentares, apenas 950 (aproximadamente) espécies são xilófagas (se alimentam de madeira), outros são predadores, alguns são necrófagos, fitófagos e micetófagos e poucos são parasitas. Alem dos besouros os mais comuns conhecidos da dona de casa são aqueles encontrados no feijão, milho, farinha, etc., chamados de caruncho.

Da ordem “Coleóptera” várias são as famílias que possuem espécies xilófagas, tais como Cerambycidas, Scolycidae, Playpodidas, Bostrychidae, Lyctidae e Anobiidae, as duas ultimas famílias são características de madeiras secas, estas são as mais comuns em nossos armários, portas, etc.

O ciclo de vida desses insetos passa por quatro estágios distintos, ovo, larva, pupa e adulto.

O ataque inicia-se na ovoposição (de 30 até 400 ovos) na superfície da madeira (período de incubação de uma a três semanas), que após a eclosão destes ovos, as larvas irão penetrar pelos poros ou aberturas naturais da madeira, não perfurando ou deixando sinais de ataque.

As espécies xilófagas na sua maioria atacam a madeira no estágio larval chamado pelos marceneiros de “brocas”, nesta fase é que passam o maior período de suas vidas se alimentando e degradando a madeira, este período geralmente é de um a quatro anos, mas a relatos de até dezesseis anos, dependendo da espécie e condições ambientais. Alimentam-se principalmente de madeiras brancas ou de alburnos já secos, em alguns casos atacam também o cerne.

Quando esta larva, depois de passar pelo estagio de pupa dentro da madeira, atinge a fase adulta, então um pequeno besouro alado chamado de caruncho sai da madeira e é quando visualizamos um pequeno orifício e o pó fino como de farinha ou fubá.

Na fase (adulta) têm o objetivo único de reprodução, saem da madeira para copular e depois voltam na madeira apenas para depositar seus ovos. Nesta fase viverão pouco tempo questão de semanas e na maioria das espécies já não se alimentam mais da madeira.

São diversos os tipos de pragas urbanas e é importante conhecer as mais comuns, a fim de tomar as medidas necessárias em cada caso.

A barata está entre as principais pragas urbanas e costuma se alimentar de restos de comida e bebidas, com destaque para a cerveja e o leite. Entre as principais doenças causadas por estes insetos, está a intoxicação alimentar que ocorre com a ingestão de alimentos contaminados, provocando diarreias e alergias.

Outra praga urbana muito comum é o rato, que pode contaminar alimentos, além ser o causador da leptospirose. Eles se alimentam de restos de comidas e vivem em redes de esgoto, locais sujos e escuros.

Os cupins também estão na lista de infestações urbanas comuns, que podem atacar os móveis de madeira e a estrutura da casa e em alguns casos ate mesmo o piso e as paredes, um grande perigo para os moradores.

Os mosquitos e moscas, assim como as formigas, apesar de não aparentar, também entram no grupo de pragas urbanas mais comuns, que podem transmitir doenças aos seres humanos.

Previna-se
Para o controle de pragas urbanas, você pode se prevenir sem fazer muito esforço: guarde sempre os alimentos em recipientes fechados, evitando que restos de comida e bebidas fiquem espalhados nos ambientes da casa. Além disso, mantenha sempre a porta dos armários trancada e armazene o lixo de maneira correta.

Mesmo depois tomar todas as providências, caso haja o aparecimento de algum tipo de praga em sua residência, o mais indicado é contatar imediatamente uma empresa de dedetização para fazer a avaliação do local e ver qual é o tratamento mais adequado para acabar com os insetos.


Notícias Dedetizadora Mais notícias

Dedetizadora✔ Dedetização✔ Desratização✔ Desinsetização✔ Dedetizar✔ Controle de Pragas✔ Controle de Pombos✔ Insetos✔ Carrapato✔ de Formigas✔